Opositores acusam Piñera e seu ex-ministro do Interior, Andrés Chadwick, de serem responsáveis por violações sistemáticas dos direitos humanos durante os protestos, e em especial por terem declarado um estado de emergência que levou forças militares às ruas.

A “Acusação Constitucional” contra o líder de centro-direita visa tirá-lo do posto, e o proibiria de ocupar cargos públicos durante cinco anos.

“Estou absolutamente seguro de que nenhum deste tipo de acusação vai prosperar porque a solução na democracia é respeitar as regras”, acrescentou.

Depois de ser aprovada pelos deputados, uma acusação contra o presidente necessitaria da aprovação de dois terços do Senado.